DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

     Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons que por ele circula (corrente elétrica). Além disso, toda vez que circula corrente, o condutor se aquece, devido ao "atrito" dos elétrons em seu interior.
     No entanto, há um limite máximo de aquecimento suportado pelo fio ou cabo, acima do qual ele começa a se deteriorar. Nessa condições, os materiais isolantes se derretem, expondo o condutor de cobre, podendo provocar choques e causar incêndios.
     Para evitar que os condutores se aqueçam acima do permitido, devem ser instalados disjuntores ou fusíveis nos quadros de luz. Esses dispositivos funcionam como uma espécie de "guarda-costas" dos cabos, desligando automaticamente a instalação sempre que a temperatura nos condutores começar a atingir valores perigosos.
     Dessa forma, o valor do disjuntor ou fusível (que é expresso sempre em Ampères – A) deve ser compatível com a bitola do fio, sendo que ambos dependem da corrente elétrica que circula na instalação. Como a corrente é o resultado da potência dividida pela tensão, a tabela abaixo indica a bitola do condutor e o valor do disjuntor em função desses parâmetros.

Tipo de circuito

Tensão
(volts)

Potência máx.
(watts)

Bitola fio
(mm²)

Disjuntor máx.
(A)

iluminação

110

1.500

1,5

15

tomadas

110

2.000

2,5

20

tomadas

220

4.000

2,5

20

chuveiros e torneiras elétricas

220

6.000

6

35

ar condicionado

220

3.600

4

25

     Outras dicas:
     • nunca aumentar o valor do disjuntor ou do fusível sem trocar a fiação, uma vez que deve haver uma correspondência entre eles;
     • a menor bitola permitida por norma para circuitos de lâmpadas é de 1,5mm² e, para tomadas, de 2,5mm²;
     • devem ser previstos circuitos separados para iluminação e tomadas.

Fonte: Impresso do Instituto Brasileiro do Cobre / Pirelli / Ficap S/A – set/98.

Nova Busca - Dicas
Palavra Chave