PINTURAS ESPECIAIS

     Existem diversas técnicas para pintura de paredes que conferem efeitos especiais. Apresentamos aqui as principais, bem como a visualização da superfície final.

     PREPARO DA SUPERFÍCIE
     Qualquer que seja o método escolhido, é imprescindível o preparo da parede antes de iniciar o trabalho. Caso a parede seja nova, deve-se aguardar a cura do cimento, num prazo entre 28 e 30 dias, e verificar o estado geral da área. A superfície não deve apresentar partes soltas, sujeira, manchas de óleo, gordura ou pó de qualquer tipo. Usa-se um produto selante ou um fundo preparador para uniformizar a área. Então, aplica-se a massa corrida para corrigir as imperfeições.
     Na repintura, a parede também deve estar absolutamente limpa e, de preferência, livre do acabamento anterior. Aplicar igualmente um fundo para nivelar e selar a superfície. Se necessário, usar massa fina para homogeneizar a área. Em ambos os casos, pintura nova ou repintura, o último passo é dar uma boa lixada e remover bem o pó.

Pinturas especiais 1.jpg (10952 bytes)      ESPONJADO
     Como o próprio nome já diz, é feito com uma esponja que pode ser até a de cozinha, mas é melhor usar a natural, pois cria manchas mais bonitas.
     Materiais:
     • Massa fina   • Tinta látex, em qualquer cor   • Tinta esmalte, na cor desejada   • Esponja natural ou de cozinha    • Estopa.
     a) Sobre a superfície revestida de massa fina e látex, aplicar de uma a duas cores de esmalte com a esponja, na intensidade desejada, certificando-se que ela não está encharcada;
     b) as cores claras devem ser feitas em fundo também claro, assim como os tons escuros exigem uma base escura.
     A estopa também oferece um efeito interessante. Esta técnica aceita o látex como tinta de efeito.
Pinturas especiais 2.jpg (10503 bytes)     ESTUQUE VENEZIANO
     Também chamado de espatolato, esta técnica, originalmente realizada com cera e concha moída, procurava copiar o efeito de uma rocha e era adotado em templos e catedrais. Hoje, o estuque veneziano imita o aspecto do antigo processo, enriquecido pelo envelhecimento.
     Materiais:
     • Massa corrida comum ou acrílica   • Corantes nos tons desejados    • Espátula ou desempenadeira   • Lixa.
     a) Adicionar corantes na massa;
     b) com uma espátula, espalhar a massa sobre áreas pequenas, ou, com uma desempenadeira, em grandes paredes, em diferentes direções;
     c) esperar a massa secar e lixar o local. Uma sugestão é aplicar uma primeira camada deixando relevos e sobre ela uma segunda demão para homogeneizar, em cores diferentes. Pode-se ainda alternar as espatuladas de maneira que fiquem uniformizadas apenas com o lixamento.
Pinturas especiais 3.jpg (11783 bytes)      ESTÊNCIL
     Sobre qualquer tipo de fundo, cria-se desenhos, usualmente, barrados que contornam a parede; são feitos com máscaras (moldes) em acetato, papelão encorpado ou poliéster, recortadas com um motivo qualquer.
     Materiais:
     • Massa fina   • Acetato, papelão encorpado ou poliéster    • Estilete   • Tinta óleo para tela, esmalte ou latéx nas cores necessárias   • Solvente   • Esponja    • Broxa pequena   • Pincel largo e chato    • Aerógrafo (um tipo de revólver de pintura).
     a) Escolher o desenho e verificar em quantas cores será realizado;
     b) o molde deve ser vazado, recortando o desenho no acetato, papelão ou poliéster;
     c) fazer uma máscara para cada cor;
     d) aplicar a tinta (acrílica, óleo para tela, esmalte ou látex) no espaço vazado do molde, fixo sobre a parede, com uma destas ferramentas: esponja, broxa pequena ou pincel largo e chato;
     e) cuidar sempre que o instrumento não esteja encharcado de tinta. Nesse caso, retira-se o excesso comprimindo-o sobre uma superfície absorvente, evitando que surjam manchas no decorrer da pintura.
     Este método pode ser realizado de várias maneiras:
     a) ao invés de aplicar a tinta, é possível retirá-la com solvente, também usando um molde;
     b) pode-se pigmentar a massa corrida com corantes e usar o molde para escavar o local, criando um trabalho de relevo;
     c) aplicar a tinta com aerógrafo.
Pinturas especiais 4.jpg (13043 bytes)      FALSA MADEIRA
     Materiais:
     • Massa fina   • Tinta látex fosca ocre ou amarela   • Tinta esmalte nos tons de ocre escuro, marrom café e castanho ou outras misturas que repruduzam tonalidades da madeira   • Solvente (do tipo aguarrás)    • Estopa   • Grained ou rubber tool (tipo de carimbo para imprimir os veios da madeira)   • Pincel.
     a) Revestir a superfície com massa fina, aplicar a tinta látex e esfregá-la com uma estopa embebida em esmalte;
     b) sobre a superfície ainda úmida, formar os veios com os carimbos especiais, semelhantes a rodinhos. Na falta destas ferramentas, pode-se usar um pincel seco, sempre num único sentido, retirando uma parte da tinta. Neste caso, o fundo pode ser amarelo sob tinta café ou rosada e transparente.
Pinturas especiais 5.jpg (10602 bytes)      TROMPE L'OEIL
     A tradução é "engana os olhos" pois, produzido como um quadro, é realista e deve confundir o observador. Assim, o desenho é muito importante para conseguir o resultado ideal, exigindo perspectiva, volume e equilíbrio perfeitos.
     Materiais:
     • Carvão vegetal ou lápis   • Tinta a óleo ou acrílica para tela, esmalte, látex ou de qualquer outro tipo   • Pincéis de espessuras e larguras conforme o desenho   • Solvente (do tipo aguarrás).
     a) Sobre a parede com qualquer acabamento, inclusive rústico (depende do efeito desejado) fazer o desenho usando o carvão vegetal ou lápis;
     b) todas as técnicas de pintura podem ser aplicadas no trompe l'oeil. Por exemplo, se o desenho for uma coluna, pode-se usar a marmorização; numa cadeira, a falsa madeira é boa sugestão;
     c) como a noção de perspectiva é essencial, é preciso prestar atenção ao sombreamento, escurecendo e clareando o desenho para mostrar pontos mais próximos e mais distantes do observador;
     d) usar o clareamento e sombras também para dar noção de volume. Uma forma simples de realizar esses efeitos é acrescentar tinta preta ou branca à cor original que está sendo usada.
Pinturas especiais 7.jpg (9027 bytes)      RAGGING (manchado)
     É a base para outros efeitos.
     Materiais:
     • Massa fina   • Tinta látex fosca, de preferência branca    • Tinta esmalte nos tons desejados   • Solvente (do tipo aguarrás)   • Pincel   • Estopa   • Papel, plástico, tecido ou qualquer outro material, dependendo da textura desejada.
     a) Preparar o número de tons que se deseja imprimir à área, diluindo o esmalte em aguarrás;
     b) pincelar as cores sem muita precisão;
     c) para homogeneizar, utilizar uma estopa embebida no solvente;
     d) finalmente, usar papel ou plástico amassados, ou toalha torcida - também chamada de boneca de pano - para retirar o excesso da tinta.
     É possível criar marcas diferentes, conforme o material e manejo adotados.
Pinturas especiais 6.jpg (12950 bytes)      FALSO GRANITO
     Materiais:
     • Massa fina   • Tinta látex fosca, de preferência branca    • Tinta esmalte nos tons desejados   • Tinta esmalte preta   • Solvente (do tipo aguarrás)   • Pincel    • Estopa   • Esponja.
     a) Começar produzindo o efeito ragging, empregando a cor do granito desejado;
     b) imprimir textura à superfície, usando a esponja;
     c) espirrar tinta preta e gotejar aguarrás com o pincel.
Pinturas especiais 8.jpg (11589 bytes)      MARMORIZAÇÃO
     Materiais:
     • Massa corrida   • Tintas esmalte nas cores desejadas    • Solvente (do tipo aguarrás)   • Pincel    • Estopa   • Tecido de malha ou esponja    • Cotonete   • Pena ou pincel fino.
     a) Sobre a parede revestida de massa corrida, aplicar três demãos de látex branco;
     b) diluir o esmalte em solvente para suavizar as cores, que devem ser pouco contrastantes;
     c) aplicar a tinta com estopa ou em pinceladas esparsas;
     d) esfumaçar com tecido, estopa ou esponja, conforme o aspecto que se desejar dar à parede;
     e) para imitar as rachaduras de pedra, torcer um cotonete embebido em solvente e remover a tinta na direção diagonal, encostando o cotonete inclinado na parede e girando-o;
     f) no sentido oposto ao das rachaduras, formar os veios da pedra. Para facilitar, visualizar uma rachadura diagonal tendendo à esquerda. Empregando a estopa, empurrar a tinta esmalte para a direita, acumulando-a; nas áreas que ficaram sem tinta, esfumaçar o resíduo da própria estopa.
     De acordo com o tipo de veio, pode-se pintá-lo com pena ou pincel.

 

Fonte: Revista Arquitetura & Construção - fev/94.

Nova Busca - Dicas
Palavra Chave