GESSO ACARTONADO

     Material produzido industrialmente e com qualidade controlada, o gesso acartonado integra-se ao repertório dos profissionais brasileiros em todos os tipos de obra. Alguns arquitetos já afirmam que quem trabalha com o novo sistema não volta mais para a construção tradicional.
     Muito comuns na Europa e Estados Unidos, os painéis de gesso acartonado vem ganhando o mercado brasileiro. A procura vem aumentando de 40% a 50% ao ano e mostra que o material vem conseguindo apagar a imagem de aparente fragilidade, prometendo tomar o espaço da tradicional alvenaria. Com muitas vantagens.
     As placas de gesso acartonado substituem alvenarias e argamassas de revestimento em uma única operação, permitindo a fácil instalação dos dutos de água, energia e dados. O sistema consiste, basicamente, em uma estrutura interna que suporta painel de gesso, formando paredes mais ou menos espessas que podem, inclusive, ser curvas. Assim, aplicam-se a divisórias ou acabamentos internos, em ambientes diversos, como cinemas, hospitais, hotéis e banheiros.

     gesso acartonado1.jpg (21638 bytes)

     Para se obter os melhores resultados, o ideal, quando se pensa em construção seca com gesso, é que, em primeiro lugar, tudo seja planejado cuidadosamente, especificando-se os pontos de instalação de prateleiras, peças sanitárias, pontos de água e de energia, sem improvisações. Em segundo lugar, é recomendável utilizar o sistema completo para que ele realmente traga benefícios. "O ideal é que a arquitetura parta junto com a solução tecnológica", comenta o arquiteto Henrique Cambiaghi.
     A partir daí, há uma solução para cada projeto. Montada a estrutura principal, pode-se colocar uma ou mais placas, fazer tratamento acústico ou térmico, adicionar reforços necessários para sustentar armários ou pias, verificar onde serão usadas paredes especiais para umidade ou resistência ao fogo. Terminada a montagem, a superfície resultante é uniforme, com aparência monolítica, e aceita qualquer tipo de revestimento: pintura, colagem, cerâmica, pastilhas e até mesmo pedras, como mármores. Para a isolação acústica são usadas várias placas com os seus vazios preenchidos com lã mineral . Por fim, para a fixação dos painéis, cada fabricante disponibiliza de um sistema de buchas e parafusos específico, incluindo pontos de ancoragem de cargas, que suportam até 30kg por ponto fixo.
     Seu uso parece ser ilimitado. A rede de cinemas carioca UCI, no Rio de Janeiro, o Credicard Hall, em São Paulo, apartamentos residenciais, como o Condominium Park Ibirapuera e prédios de escritórios, como a Torre Norte, são exemplos de uso das placas. Elas também dividem ambientes no Via Funchal, em São Paulo, no Senado Federal, em Brasília, e no museu Guggenheim, de Bilbao.
     As vantagens, segundo os fornecedores, são muitas. Por ser leve, reduz de 10% a 15% as fundações e estruturas, sua execução é mais rápida, diminuindo a mão-de-obra, e a quantidade de sobras e entulhos é menor, eliminando quebras e bota-fora de materiais. Além disso, o sistema possibilita a modificação de layout dando flexibilidade ao projeto e, em alguns casos, proporciona o aumento de área útil, uma vez que as paredes podem ser mais finas. Some-se a isso o ganho financeiro com a redução do tempo de obra.
     Existem diversos tipos de chapas: normal, resistentes à umidade e ao fogo. As placas resistentes à umidade são tratadas com produtos hidrofugantes, como o silicone. Já as resistentes ao fogo possuem aditivos para retardar a liberação de água da chapa, evitando o colapso da peça. Espessuras, larguras e resistências podem ser ajustadas de acordo com o projeto. Pode-se aumentar o número de placas, elevando a resistência mecânica e ao fogo e melhorando a isolação acústica. Um bom exemplo são as divisórias de cinema, que usam três placas de cada lado e tratamento acústico especial. No caso de hospitais, por exemplo, há necessidade de um vão maior entre as placas para acomodar os equipamentos específicos. E existem, também, sistemas concebidos para isolar salas de raios X. Cada projeto é um caso a ser analisado e, para todo caso, há uma solução.
     A grande novidade nesses sistemas de construção a seco, entretanto, são os subsistemas disponíveis, que acrescentam algumas vantagens à obra. Quando o assunto é banheiro pode-se citar o sistema de tubulação flexível para água (PEX), os plásticos aplicados como pisos, box, peças de fechamento de shafts, carenagens, sistema de bacia com sistema horizontal, caixas de descarga de embutir e sistemas de proteção da estrutura metálica interna para evitar o contato do cobre com o aço.
     Na parte elétrica, o mercado já oferece caixas para tomadas e interruptores desenvolvidas especialmente para o gesso acartonado. Elas possuem formato adequado ao material, presilhas especiais para prendê-las nas chapas e marcação para se fazer os furos.
     Para os acabamentos existem as argamassas especiais, os laminados de revestimento (plásticos, melamínicos) e suas colas adequadas. Peças de madeira com tratamento especial também integram o sistema, funcionando como estrutura interna ou componentes de reforço para fixação de cargas. Em qualquer caso, a madeira é tratada para não apodrecer, "dar cupim" ou empenar. Portas e esquadrias também foram desenvolvidas para o sistema. A maior novidade são as portas prontas que, fixadas com espuma adesiva, proporcionam um encaixe perfeito.
     Para o arquiteto Roberto Candusso, a implantação deste tipo de tecnologia foi o ponto culminante para a conclusão rápida e "vencedora" do Hotel Ibis Casa Verde, em São Paulo. A vedação interna do Ibis ganhou paredes com chapas duplas de gesso acartonado e mantas de lã de vidro para uma acústica melhor. "Esse sistema gera economia, limpeza e agilidade durante a obra, sem interferir nas instalações hidráulicas que se adaptam perfeitamente à tecnologia. O sistema nasceu para inovar o mercado da construção."

     gesso acartonado2.jpg (23669 bytes)

     No escritório Aflalo & Gasperini Arquitetos, quase todas as obras usam gesso, principalmente no forro. No Central Towers Paulista (duas torres com flats e consultórios), o gesso está no forro e nas paredes. Já no projeto Água Branca, também em São Paulo, as quatro torres de escritórios usarão placas de gesso nos shafts, paredes internas e forros.

Fonte: Revista Arquitetura & Urbanismo - out/nov-99.

Nova Busca
Palavra Chave